Arquivo de junho, 2009

por JJota

É difícil encontrar palavras para descrever esse disco do grupo denominado Quasimoto, que também é conhecido como Lord Quas juntamente com o produtor Madlib, de Oxnard, Califórnia, que é multi-instrumentista, rapper e produtor musical.

Quas é conhecido pela altura de seu timbre, levantando sua voz como se estivesse a inalar hélio, tornando inconfundível seu jeito de rimar, dando originalidade ao disco e as músicas.

O álbum foi concebido e gravado por Madlib durante uma semana longa na base de cogumelos e farras.

Após seu lançamento em 2000, o álbum foi recebido com pouca atenção. Muitos fãs e críticos foram confundidos pelo álbum de natureza absurda e abstrata, porém, os ouvintes se tornaram mais acostumados com o estilo e os sons que Madlib comumente evoca.

“The Unseen” te leva às alturas num chamuscar de batidas leves e abstratas, fazendo viajar quem fecha os olhos e deixa o som levar.

É difícil escolher uma música da qual mais gosto, pois todas são inovadoras e hipnotizantes, mas posso dar destaque para as faixas 10-“Come on Feet”, 16-“Green Power”, 19-“The Unseen” e 24-“Discipline 99” com a participação de WildChild.

Esse disco também tem sua versão instrumental para os rimadores de plantão, excelente para quem quer treinar um improviso.

Já disse que vale a pena? Nem precisa falar ele fala por si só e quem realmente aprecia um bom rap underground vai se ligar no que estou dizendo.

Clique e conheça mais Quasimoto no MySpace

Confira o clipe “Come on Feet”

Discografia Quasimoto:

The Unseen (2000)

The Further Adventures of Lord Quas (2005)

Faixas do Disco

01-“Welcome to Violence” – 0:49

02-“Bad Character” – 1:56

03-“Microphone Mathematics” – 3:14

04-“Basic Instinct” – 2:10

05-“Goodmorning Sunshine” – 2:57

06-“Discipline 99, Pt. 0 (featuring Mr. Herb)” – 2:32

07-“Low Class Conspiracy” – 2:26

08-“Return of the Loop Digga” – 3:46

09-“Real Eyes” – 3:22

10-“Come on Feet” – 3:35

11-“Bluffin” – 2:47

12-“Boom Music” – 2:47

13-“MHBs” – 2:02

14-“Put a Curse on You” – 1:46

15-“Astro Black” – 3:17

16-“Green Power” – 2:59

17-“Jazz Cats, Pt. 1” – 2:43

18-“24-7 (featuring Medaphoar)” – 2:48

19-“The Unseen” – 2:53

20-“Phony Game” – 1:56

21-“Astro Travellin” – 2:58

22-“Blitz” – 1:16

23-“Axe Puzzles” – 2:34

24-“Discipline 99, Pt. 1 (featuring Wildchild)” – 3:36

Anúncios

por JJota

PENTÁGONO? Sim, quando peguei o CD “MICROFONICAMENTE DIZENDO…” de 2004, não escutei no primeiro momento, depois de algum tempo é que fui apreciar esse disco. Falei pra mim mesmo: “Como eu não tinha escutado esse disco antes!” Fiquei louco, fazia tempo que não aparecia um grupo com uma temática diferente para abordar temas da vivência e do comportamento das pessoas e deles mesmos.

Surgido em 2001, e atualmente, o grupo conta com quatro mc’s e um DJ, são eles: Cristiano Dj Kiko, Paulo M.Sário, Israel – Rael da Rima, Alan Apolo e Wagner Massao.

Um dos melhores grupos de rap nacional com um belo histórico no cenário musical e relevantes atuações em shows, dando-lhes a premiação de grupo revelação no Hip-Hop Top em 2005 e concorrendo na prestigiada premiação da MTV (VMB – Vídeo Music Brasil) na categoria de melhor videoclipe de rap com a música “Namoral”.

Esse é aquele disco que você ouve todas as faixas sem apertar o skip e dou destaque para as faixas 04-Franco Atirador, 11-Um Ser Assim, 15-Só Não Posso e a 17-Salve. Sempre tem aquele som que você escuta mais e pra mim é “Só Não Posso”, fala de amor e sua lado dúbio como no trecho: “…vai pensamento me leva, onde a bebida não leva, onde a brisa eleva, onde a gente se cega, onde o amor não me cega é só você que me leva, me leva, onde você quiser onde o mar não dá pé,  pertim da maré, onde a montanha é…me leva. Eu só não posso me deixar levar…”.

O Pentágono é um grupo com muita liberdade na hora de compor e produzir suas músicas misturando vários ritmos e abordando diversos temas como amor, liberdade e sonhos, sem perder sua originalidade. Possuir esse disco é ter o que há de inovador no rap nacional.

Saiba mais sobre o Pentagono5 nos links abaixo:

Myspace /    Site oficial

por JJota

No inicio da década de 90, no bairro Jd. Fortaleza situado no município de Guarulhos zona norte de São Paulo, surge o grupo de rap SNJ (Somos Nós a Justiça). Integrantes do primeiro disco: Sombra, Bastardo, Cabeça, Cris e na pick-up o DJ Wjay.

A primeira vez que ouvi o SNJ foi num vídeo de skate americano, o 411VM, e se não me engano foi no volume 28, na propaganda do skater Adelmo Juninho, um Sergipano que mora nos EUA, que aproveitou a aparição no vídeo para colocar um rap nacional como fundo musical. Quando começou aquela base de piano que cola na mente e aquela voz aguda do Sombra fiquei louco. “O que é isso? Quem são esses caras?”

Já corri atrás do disco e quando ouvi percebi que o rap brazuca entrava numa nova era. O grupo Somos Nós a Justiça definiu bem a sigla RAP como Ritmo Alternativo e Protestante. O som “Se Tu Lutas, Tu Conquistas” é um clássico, passando positividade sem palavrões e de maneira contagiante com um flow que empolga. Essa música pra mim representa uma mensagem que dá ânimo e motivação para enfrentar as dificuldades do dia a dia por mais difícil que pareça, o nome já diz tudo “Se Tu Lutas, Tu Conquistas”.

Esse disco contém faixas que abordam e desvelam de maneira criativa, vários assuntos pertinentes na sociedade como o enquadramento do ensino  nas escolas,  violência policial, mulher no rap, indústria cultural e o entretenimento através do Rap. A faixa “Viajando na Balada” é daquelas que além de empolgar fala sobre o ensino distorcido nas escolas comparando com as produções hollywoodianas que visa o lucro através de um condicionamento numa realidade ilusória.

Confira o clipe “Viajando na Balada”

O SNJ conseguiu inovar, entreter e protestar num mesmo disco, vale à pena ter um disco progressista como esse, tanto para entreter como para refletir.

download AQUI

Clique e conheça mais SNJ no Myspace

Clique e baixe a música “Viajando na Balada”